Quarta, 01 de Dezembro de 2021 20:52
(35) 988158840
Geral UNIVERSIDADE FEDERAL

Cortes Orçamentários das Universidades afetam toda sociedade

Existem no Brasil 2.608 instituições de educação superior, dessas, 2.306 são privadas e apenas 302 são públicas. As públicas federais, mantidas pelo Governo Federal vem enfrentando uma forte crise, e ano a ano os repasses dos orçamentos vêm sendo cortado, em algumas existe o risco de paralisação das atividades que vão além da formação dos estudantes, mas atendem toda comunidade

22/05/2021 00h07 Atualizada há 6 meses
807
Por: Redação 4
Falta de recursos podem comprometer o funcionamento e a prestação de serviços a comunidade pelas Universidades Federais /Foto: Guilherme Abraão
Falta de recursos podem comprometer o funcionamento e a prestação de serviços a comunidade pelas Universidades Federais /Foto: Guilherme Abraão

Guilherme Abraão

O Brasil possui 69 Universidades Federais. Para ser Universidade é necessário que as instituições ofertem cursos de Graduação, Pós-Graduação (Especialização, Mestrado, Doutorado, Pós-Doutorado), além dos cursos e projetos de extensão. Aproximadamente 1,1 milhão de estudantes estão matriculados nestas instituições. Em Minas temos o maior número delas, são 11 instituições federais, ou seja, temos quase 20% das universidades federais de todo o país, e mais 25 Institutos Federais de Ensino, que ofertam cursos tecnológicos, de graduação e pós-graduação. E tudo isso é gratuito!

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) afirmou que o orçamento discricionário para 2021 teve um corte de pelo menos R$ 1 bilhão. Segundo a Andifes, o orçamento destinado às 69 universidades federais é 18,16% menor do que o destinado no ano passado, com estes cortes todas as instituições serão afetadas. A quantia destinada às Universidades corresponde à verba discricionária, ou seja, para custear o pagamento de despesas como água, luz, limpeza e manutenção da infraestrutura.

Mesmo na pandemia ocorreram cortes nos orçamentos das Universidades. Os dirigentes de diversas instituições chamam atenção para os impactos fortíssimos dos cortes justamente no enfrentamento à pandemia. Pelo menos três Universidades estão desenvolvendo vacinas nacionais contra a Covid-19 e a rede federal disponibiliza mais de dois mil leitos para tratamento da doença.

A Andifes apontou ainda que cerca de R$ 177 milhões serão tirados da assistência estudantil, que atende e beneficia mais da metade dos alunos matriculados no Brasil, colocando em risco a formação de milhares de estudantes. No Rio de Janeiro, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) terá R$ 299 milhões de orçamento para o ano de 2021, são R$87 milhões a menos do que o ano passado. É o nono ano consecutivo que a verba para a UFRJ é reduzida. Em nota, a reitoria disse que a instituição corre risco de paralisar as atividades.

Em Alfenas, temos a Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG), que foi fundada no dia 3 de abril de 1914 como Escola de Farmácia e Odontologia de Alfenas (EFOA), sendo reconhecida pela Lei Estadual nº 657, de 11 de setembro de 1915. Em 2005, por meio da Lei Federal nº 11.154, de 29 de julho de 2005, a EFOA foi transformada em Universidade Federal de Alfenas, adotando a sigla UNIFAL-MG, sendo eleita a sigla e logotipo pela comunidade acadêmica.

A UNIFAL-MG possui quase 8 mil alunos/as, tem mais de 600 professores, são 34 cursos, empregando 904 profissionais, divididos entre docentes e técnicos, e ainda emprega outros 331 terceirizados. Diante destes números temos a dimensão da instituição, que está presente em Varginha e Poços de Caldas, mas é aqui em Alfenas que concentra suas forças.

Sem aprofundar, apenas observando os dados postos, a UNIFAL-MG é uma das maiores empregadoras no Município de Alfenas. As centenas de estudantes e professores/as alugam e se alimentam, movimentam fortemente nossa economia e, como dito, os cortes afetam todos nós, desde o locador de imóveis, os supermercados, os restaurantes, as redes de postos, toda cadeia econômica local sente diretamente quando a UNIFAL-MG é atacada. Juntas, a UNIFENAS e a UNIFAL formam os maiores bens de Alfenas, e tem um legado incalculável. Em outra ocasião podemos falar dos projetos de extensão, seja na área de saúde ou de educação, em que ambas atendem milhares de pessoas.

Na avaliação do Ministério da Educação, a UNIFAL-MG tem conceito nota 4 (de 5), e figura entre as 10 melhores de Minas Gerais. A UNIFAL-MG ocupa a 68º colocação no país entre as 197 instituições brasileiras públicas e privadas, de grande, médio e pequeno porte, conforme Ranking Universitário Folha (RUF) 2019. Quando a avaliação considera somente as 52 instituições públicas e privadas de mesmo porte no país, a UNIFAL-MG se posiciona em 6º lugar como a melhor no Brasil.

No começo deste ano, o Conselho Universitário da UNIFAL-MG aprovou a Proposta Orçamentária da Universidade para o ano de 2021, com um orçamento projetado de R$ 258.603.130,00. Deste montante, R$ 222.282.862,00 são destinados a despesas obrigatórias que incluem pagamento de servidores ativos e inativos; e R$ 36.320.268,00, referem-se a recursos discricionários como contas de água e de luz, serviços terceirizados, compra de materiais e manutenção de equipamentos, entre outros. Cortes no orçamento também atingiram a UNIFAL-MG. Em relação ao orçamento de 2020, houve uma redução de 16,5% no orçamento discricionário.

Em 2020, o Brasil foi destaque negativo em um relatório internacional que monitora ataques ao ensino superior no mundo, seja pelas invasões policiais, proibições de aula, patrulhamento de professores, acusações mentirosas, violência, cortes de orçamentos, fim da autonomia universitária e nomeações políticas são alguns dos ataques elencados pelo documento Free to Think. Foi a primeira vez que o Brasil entrou na lista de países que ameaçam as instituições de ensino superior...

O relatório, elaborado pela rede Scholars at Risk (SAR), ligada à Universidade de Nova York, abrange o período de setembro de 2018 à agosto de 2019. Ao todo, foram 324 ataques em 56 países, com destaque para Índia, Turquia, Sudão, China e Brasil. O processo de ataques teve início ainda no governo de Michel Temer (MDB) e atinge seu ápice com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Para além dos ataques e cortes no orçamento que asfixiam as Universidades, vemos um forte e organizado movimento anticiência que ganhou as ruas, as rodas de conversas, e que ganhou espaço e força dentro do Governo federal, virou quase que uma ordem, sobretudo, as ações e práticas do negacionismo que infelizmente se reflete no enfrentamento à pandemia, que causa milhares de mortes.

Como vimos “A crise da educação no Brasil não é uma crise, é um projeto”. Dói reconhecer, mas as sábias palavras do mestre imortal Darcy Ribeiro estão cada vez mais atuais e se materializando, e a nós cabe lutar e defender nossas Universidades, afinal, elas são um imenso e forte cobertor que nos salva, acolhe e protege, e certamente estes tempos ruins irão passar!

 

* As opiniões contidas nesta coluna não refletem necessariamente a opinião deste portal de notícias.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ao Ponto
Sobre Ao Ponto
GUILHERME ABRAÃO, formado em Direito pela PUC Campinas/SP, aluno de Ciências Sociais pela UNIFAL. Foi consultor da UNESCO, Conselheiro Estadual de Cultura, Superintendente de Cultura da Prefeitura Alfenas/MG, foi Assessor Parlamentar na Câmara dos Deputados, Assessor Jurídico da Prefeitura de Pouso Alegre/MG, e Diretor Municipal de Cultura em Estiva/MG. Vice-presidente do Circuito Turístico Lago de Furnas. Faça contato através do e-mail: [email protected]
Sobre o município
Alfenas - MG
Atualizado às 20h52 - Fonte: Climatempo
24°
Pancada de chuva

Mín. 19° Máx. 27°

24° Sensação
12.6 km/h Vento
76.3% Umidade do ar
80% (8mm) Chance de chuva
Amanhã (02/12)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 19° Máx. 29°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Sexta (03/12)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 18° Máx. 28°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.