Quinta, 19 de Maio de 2022 22:01
(35) 988158840
Geral Economia da Cultura

Cultura e eventos, uma indústria de geração de renda que muitos não percebem

Segundo o SEBRAE, a economia criativa representa 3% do PIB Nacional, em um contexto mundial, a indústria criativa representa 10% do PIB Mundial

13/05/2022 18h32 Atualizada há 6 dias
197
Por: Redação 4
Foto: Paulo Júnnior
Foto: Paulo Júnnior

 

João Alexandre

A conta é básica, se um festival teve a circulação de 25 mil pessoas durante três dias e cada pessoa gastou R$40,00 (quarenta reais) adquirindo alimentação ou bebida os números chegam às cifras de R$1.000.000,00 (um milhão de reais). Estudiosos e pesquisadores compreendem este conceito como economia criativa ou economia da cultura. Tão importante quanto à cafeicultura, a industrialização, o comércio, o setor de cultura e eventos é uma indústria de geração de renda que muitos desconhecem e não percebem, além do fomento ao turismo e aumento na arrecadação de impostos.

Estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e premiado sobre a Economia da Cultura Brasileira aponta que para cada R$1,00 (um real) de recursos investidos em cultura o retorno é de R$3,00 (três reais) na ação cultural desenvolvida. Entende-se por economia criativa desde apresentações musicais de artistas até o impacto na economia local como hotéis lotados, crescimento de vendas nas lojas de roupas e sapatos, movimento nos salões de beleza, manicures, postos de gasolina, motoristas por aplicativo, táxis, aquisição de produtos nos supermercados como carnes, gelo e bebidas, vendas no comércio local, tanto da economia formal, quanto da informalidade. Acrescenta-se a isto a contratação de mão de obra local para montagem e desmontagem de estruturas, técnicos de som e movimento em restaurantes e pesqueiros durante o período de um determinado evento.

Embora as atividades culturais sejam milenares e acompanhem a história da humanidade, foi na década de 1980 que o termo economia criativa começou a ser usado. A expressão foi adotada por Margareth Thatcher, quando era primeira-ministra da Inglaterra. Ela divulgou a época um relatório no qual reconhecia a importância e a força da cultura dentro do contexto econômico do país, setor econômico denominado como, quinário.

Segundo o SEBRAE, a economia criativa representa 3% do PIB Nacional, em um contexto mundial, a indústria criativa representa 10% do PIB Mundial.

A pandemia escancarou a crise no setor cultural, turístico e de eventos, por outro lado, podemos perceber a gama de trabalho e renda que estes setores impulsionam direta e indiretamente com a retomada de festivais em todo Brasil, tanto na iniciativa pública, quanto da iniciativa privada.

Que o pós-pandemia inaugure um novo paradigma na percepção desta indústria criativa, limpa, rentável e que nos libertou do confinamento pandêmico, afinal, como nos versos musicais de Ivan Lins “no novo tempo, apesar dos perigos, a gente se encontra cantando na praça, fazendo pirraça, pra sobreviver, pra sobreviver...”

* As opiniões contidas nesta coluna não refletem necessariamente a opinião deste portal de notícias.

 

1 comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Economia da Cultura
Sobre Economia da Cultura
João Alexandre Moura, professor, pesquisador, gestor público e cultural, mestre em políticas públicas e doutorando em história e memória cultural. Foi o primeiro secretário de cultura da história de Poços de Caldas (2013/2016). Desde 2017 está secretário de Cultura e Turismo em Machado.
Sobre o município
Alfenas - MG
Atualizado às 21h49 - Fonte: Climatempo
Poucas nuvens

Mín. Máx. 17°

° Sensação
16.1 km/h Vento
74.7% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (20/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 19°

Geada
Sábado (21/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 21°

Sol com algumas nuvens