Segunda, 19 de Abril de 2021 02:13
(35) 988158840
Geral VIOLA MÁGICA

Três anos sem Índio Cachoeira e sua viola mágica

Violeiro, construtor de suas violas, inventor de máquinas movidas por pedais, ou simplesmente um gênio da cultura brasileira, partiu antes do combinado e faz imensa falta, sobretudo nestes tempos dolorosos que atravessamos. Nos deixou um alento, ouvir sua obra imortal

03/04/2021 08h58 Atualizada há 2 semanas
544
Por: Redação 4
Índio Cachoeira no Seminário de Violas realizado pelo Iepha-MG, em 2017
Índio Cachoeira no Seminário de Violas realizado pelo Iepha-MG, em 2017

Guilherme Abraão

Em 2003, José Pereira de Souza veio morar e cuidar da casa de um irmão no bairro Recreio Vale do Sol, casa simples, nos fundos aproveitou dois cômodos inacabados e construiu sua oficina de violas. Construiu as próprias máquinas, nenhuma usava energia elétrica, todos eram movidas pela força de pedais. Aquele senhor andava por Alfenas de bicicleta, teve uma com volante de carro, havia sido por anos motorista de ônibus coletivo em São Paulo, mas sua maior paixão eram as violas.

Índio Cachoeira era natural de Junqueirópolis (SP). Ainda criança teve seu primeiro contato com a viola, iniciando sua vida profissional aos 17 anos tocando nas rádios locais e mais tarde formou dupla com Tião do Gado. Em 1995, tornou-se o Pajé da tradicional dupla Cacique e Pajé, na qual atuou por cinco anos e gravou cinco CDs. Tornou-se luthier e, com a sua marca Canaã, fabricava suas próprias violas de dez e quinze cordas, rabeca, violão e harpas.

Com talentoso violeiro canhoto Ricardo Vignini (do grupo Matuto Moderno e Moda de Rock) Índio Cachoeira pisou no velho mundo. Tocaram no Festival Espirito Mundo Provence/Aix in Provence na França em 2012. Em 2016, Índio CachoeiraSantarém venceram o prêmio ProAC de Culturas Tradicionais  da Secretaria do Estado da Cultura de São Paulo, produzido por Ricardo Vignini, a obra prima da dupla era o cd "Ponteando Tradições", pelo selo Folguedo com a distribuição da Tratore. Com Ricardo Vignini foram cinco álbuns e um DVD ao longo de intensos 15 anos de produção, parcerias musicais, centenas de shows e uma amizade forte.

O ano de 2017 foi intenso e muito produtivo para Índio Cachoeira. Para lançar e apresentar o novo CD com Santarém. A dupla de viola raiz rodou o Estado de São Paulo passando com shows em Brotas, Guarulhos, São José dos Campos, Bragança Paulista, Holambra e Botucatu. Em Alfenas, ele abriu o show de Saulo Laranjeira, na Praça do Pinheirinho. Em Belo Horizonte, no "Seminário Violas: o fazer e o tocar em Minas Gerais", realizado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA/MG), no auditório do BDMG Cultural foi destaque.

Sua presença foi marcante ao fazer esta apresentação no Seminário IEPHA/MG, juntamente com outros violeiros de todo o Estado tocando os ritmos tradicionais da viola e contando sua trajetória musical. O auditório lotado aplaudiu de pé Índio Cachoeira por longos e merecidos minutos. Neste ato ficou evidenciado o carinho, admiração e respeito dos participantes durante todo o seminário.

No centro do palco, abraçado com sua viola, ao lado de Teo Azevedo, premiado em 2013, com Prêmio Grammy Latino de melhor álbum de música de raízes brasileiras, estava Índio Cachoeira. Aquele era um momento histórico em sua vida e na carreira do grande mestre da viola caipira, com mais de 40 anos de estrada cultural, tendo se apresentado nos quatro cantos deste Brasil. Ele estava alegre, sorridente, era uma espécie de coroação e misto de despedida.

Duas outras situações me marcaram durante aquele grande encontro de violeiros, estudiosos e pesquisadores. Uma delas, foi um jovem que esperou calmamente com sua viola e pediu para que Índio Cachoeira o ajudasse a tirar algumas notas, o paciencioso violeiro não só ensinou como afinou e deu dicas de como cuidar da viola para o rapaz, que não conseguia guardar sua admiração e alegria. A segunda, quando voltávamos de Belo Horizonte, eu dirigindo, no banco traseiro Índio Cachoeira. Mesmo no escuro, tocou e dedilhou sua viola nos quase 400km da viagem, aquilo foi mágico!

Ainda em 2017,  Índio Cachoeira e seu parceiro Santarém fizeram um show na Concha Acústica da Praça Getúlio Vargas, para lançar em Alfenas o CD "Ponteando Tradições", abrindo as comemorações do aniversario da cidade. Entre shows e gravações, ele construía suas violas, e se deslocava por Alfenas com sua bicicleta, disposição e energia não lhe faltavam.

Na manhã do dia 4 de abril de 2018, aos 65 anos Índio Cachoeira partiu, deixando um vazio imenso em nossa cultura. Ele não resistiu, mas lutou por vários dias. Havia sofrido um acidente com sua inseparável bicicleta, no cruzamento da Rua Dr. Marcial Júnior com a Rua Presidente Artur Bernardes. No dia seguinte, pintamos uma borboleta no asfalto e instalamos uma “ghost bike” (ou bicicleta fantasma) em respeito à sua memória. A bicicleta usada por Índio Cachoeira, foi pintada de branco e colocada bem no local onde houve o acidente.

Para quem ainda não conhece ou não ouviu a genialidade das cortas da viola mágica de Índio Cachoeira busque por suas músicas, boa parte está nas redes e nos aplicativos de streaming, e se puder, ouça e sinta a música “Prelúdio dos Pássaros” ...

Alfenas, ainda lhe deve uma honrosa, justa e necessária homenagem!

4 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ao Ponto
Sobre Ao Ponto
GUILHERME ABRAÃO, formado em Direito pela PUC Campinas/SP, aluno de Ciências Sociais pela UNIFAL. Foi consultor da UNESCO, Conselheiro Estadual de Cultura, Superintendente de Cultura da Prefeitura Alfenas/MG, foi Assessor Parlamentar na Câmara dos Deputados, Assessor Jurídico da Prefeitura de Pouso Alegre/MG, e Diretor Municipal de Cultura em Estiva/MG. Vice-presidente do Circuito Turístico Lago de Furnas. Faça contato através do e-mail: [email protected]
Sobre o município
Alfenas - MG
Atualizado às 02h01 - Fonte: Climatempo
18°
Muitas nuvens

Mín. 15° Máx. 27°

18° Sensação
10 km/h Vento
91.7% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (20/04)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 14° Máx. 26°

Sol com algumas nuvens
Quarta (21/04)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 13° Máx. 27°

Sol com algumas nuvens
Anúncio
Anúncio